segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Cem Anos de Solidão

Visitando o sempre precioso «Orgia Literária », e lendo um belíssimo texto acerca de Cem Anos de Solidão (obrigado Enzo Potel ) lembrei-me que era tempo de fazer deste livro o meu companheiro dos próximos dias.
Nesta deprimente proximidade da dita data natalícia, é bom voltar aos braços dos amigos,esquecendo um pouco os encontros familiares, que por vezes de encontro têm pouco, sabendo que com os livros que amamos iremos sempre encontrar a mesma emoção e assombro, e a felicidade que tivemos, algures lá muito atrás ao conhecer , este escritor generoso que derrama em cada página o imenso amor pela sua terra e ternura pela sua querida Cartagena. E que ao escrever este fabuloso livro , digno de um D. Quixote da América Latina,espelhou todas as nossas solidões.
Não tenham pena das minhas noites.
Vão ficar bem iluminadas

4 comentários:

samuel disse...

Olha... um blog a começar... e ainda por cima, a começar bem!...
Há que ficar com atenção e ir voltando.

Abreijos

Francisco Castelo Branco disse...

e será o Natal tambem uma época de solidão para uns?

Enzo Potel disse...

de nada!
me sinto muito feliz ao saber que aquele texto que mais parece uma colcha de retalhos (eu não sei dar fim às coisas, e o meio fica uma bagunça!) tenha sido válido para alguém.
vou criar vergonha na cara e escrever mais algum para o orgia.

obrigado você!

Enzo Potel disse...

de nada!
me sinto muito feliz ao saber que aquele texto que mais parece uma colcha de retalhos (eu não sei dar fim às coisas, e o meio fica uma bagunça!) tenha sido válido para alguém.
vou criar vergonha na cara e escrever mais algum para o orgia.

obrigado você!