quarta-feira, 6 de maio de 2009

HIPOCRISIA

Há uns dias, uma pessoa que me é querida, lançou um grito de alma, indignado contra a hipocrisia .Como sempre, achamos todos que o melhor é o desprezo.
Mas, estes conceitos despertaram em mim estas reflexões

Reflectindo sobre a moralidade que reina na sociedade e a suas constante alterações com o tempo,conseguimos facilmente chegar à conclusão que a sociedade esconde suas hipocrisias atrás da máscara da moralidade.


Se olharmos para trás e fizermos qualquer comparação com os dias actuais, rapidamente reparamos como os conceitos morais foram alterados; como as pessoas passaram a aceitar moralmente o que antes era tido como imoral. Uma das grandes provas do amadurecimento humano é a aceitação e abertura ao «novo» ao diferente».
Claro que isso não é possível a mentes tacanhas e a escravos do politicamente correcto.
Até porque não há nada que mais ofenda um reprimido , do que uma pessoa livre.

Alguns compreendem que tais mudanças dizendo ser isto consequência da evolução humana, outros podem dizer que faz parte do amadurecimento da sociedade quebrar determinadas regras, enfim, sempre há uma razão para explicar as alterações, mesmo os que no fundo não estão de acordo , e na sombra ,esperam a oportunidade de ferir quem se atreva a sair daquilo que acham «politicamente» ou «moralmente» correcto. Esses não têm sequer coragem de admitir que o que fazem é apenas uma nova maquilhagem na velha máscara que sempre carregaram.
Esses são a encarnação viva da hipocrisia no seu auge.

Todos nós já ouvimos falar do tempo em que a palavra de um homem, valia mais que um documento assinado. Hoje «aceitamos» que nem já esse documento assinado , seja respeitado.

“A ignorância é vizinha da maldade”, já dizia um provérbio árabe, e assim a massificação de mente e do modo de pensar é mais fácil de ser controlada. A inércia mental produz zumbis culturais e seres hipócritas que se escondem atrás da máscara da moralidade, e que de tempos em tempos, arrumam a convenções com o simples propósito de mostrarem a face asquerosa de perversidades, de egoísmos, de vaidades, de presunções... com uma aparência mais pura e com um poder de persuassão maior.

Sempre temos mais de uma opção para escolher, mas infelizmente a grande maioria escolhe a mais cómoda e não a mais conscientemente correcta. Enquanto muitos adoptarem a regra de não ser quem realmente são, a moral permanecerá sendo o caminho a ser seguido, o deus a ser adorado... e, de quando em quando, um demónio imoral será canonizado em santo moral .

Que fazer perante os hipócritas?
E costume dizer que o desprezo é o melhor remédio. E talvez seja.
Mas, podemos em sã consciência pedir a alguém que foi ofendido, que o ignore ? Podemos ignorar as ofensas que fazem aos nossos amigos ?
Eu acho que não.
Então que fazer, voltar à velha receita de Eça de Queiroz de "umas bengaladas" ?. Este não é um pensamento politicamente correcto,ou sequer aceitável pelas regras de boa convivência em sociedade.
Mas ... se não defendermos os nossos amigos , quem os defende ?

16 comentários:

pinguim disse...

Querida Amiga
claro que eu não precisava deste teu texto para me achar dentro da razão; mas que me ajudou, no plano teórico a explicar muitas coisa, é verdade.
Nunca falei contigo sobre os factos que originaram aquele meu post, como não falei com a maior parte das pessoas que lá deixaram o seu apoio; apenas com aquelas que directa ou indirectamente neles estão inseridos.
Podia ter vindo rebater as mentiras e esclarecer melhor a enorme hipocrisia da pessoa em causa; mas a melhor resposta foram vocês que a deram; e tirando as pessoas que apenas o conhecem a ele e aceitam tudo o que diz como dogma, quem me conhece melhor ou pior, esteve e está comigo.
Posso dizer que lhe saiu o tiro pela culatra, pois o post dele era dirigido exactamente aos leitores do Pinguim...
Enfim, já lá vai, mas a minha gratidão para contigo é grande.
Espero dar-te um beijinho no próximo sábado.
Agora envio-te outro.

Teresa Queiroz disse...

de acordo!!

ignorar ou desprezar a hipocrisia ... não é solução... corremos o risco de colaborar com ela

poetaeusou . . . disse...

*
a hipocrisia
está tão arreigada,
que até este a viu assim;
,
"Nada mais hipócrita que a eliminação da hipocrisia."
,
in - Friedrich Nietzsche
,
conchinhas
,
*

Mar Arável disse...

Somos mais livres

se respeitarmos

a liberdade

e porque não o Eça

para os que não se respeitam

a si mesmo?

Pata Negra disse...

Chega de palavras mansas! Os tempos são de confronto! Se permanecermos passivos vamos, igualmente, acabar feridos!

Um hipo-abraço

Cláudio disse...

Como se erradica a hipocrisia? Sempre existiu e sempre existirá? Complicado responder a isto. Enquanto houver pessoas dispostas a fazer jogo duplo para daí extraírem sórdidos benefícios (nem que seja pelo prazer de afirmação pelo rebaixamento do outro), nunca se erradicará por completo.
Acho que só pode ser uma luta diária, de não deixar passar em branco as situações quando elas ocorrem à nossa frente ou ao nosso lado.

Nocturna disse...

É isso mesmo Cláudio,
É uma luta diária e devemos denunciar e indignar-mo-nos quando formos vítimas dessa hipocrisia ou dela forem vitimas, amigos nossos.
Erradicar por completo, nunca conseguiremos, mas talvez consigamos fazer os hipócritas sentirem-se MUITO MAL e isolados.
Um abraço
Nocturna

Cláudio disse...

Não sei se acredito na capacidade de regeneração desse tipo de pessoas. Mas quero acreditar que sim, que um dia caiam em si e lamentem o mal que semearam à sua volta. A vida é curta e não é fácil para ninguém. Para quê complicá-la?

Um abraço e bom fim-de-semana! *

Paulo disse...

Nocturna, não sei se é só fruto deste tempo mas se a hipocrisia faz parte de todos os tempos. e quando atacam quem nos é próximo, é como se nos atacassem a nós, por isso compreendo bem a tua defesa, muito bem feita, aliás. e o desprezo continua a ser uma arma excelente contra essa gente que gosta de vestir pele de cordeirinho.
abraço e até logo!

Nocturna disse...

Majestade, Pata Negra
Também estou de acordo que acabou o tempo das falinhas mansas.
Que fazemos ? Uma frente para nos protegermos e proteger os nossos amigos ?
Para já comecemos a chamar os bois pelos nomes, e a arranjarmos uma boa bengala.
Um abraço nocturno
Nocturna

Jorge P.G disse...

Boa tarde.

Gostei.
A ausência de referências no que à conduta moral diz respeito tem vindo a fazer verdade o que ontem era mentira e a fazer mentira io que hoje se afirma como uma verdade indesmentível.
O ser humano caminha para a hipocrisia generalizada, em que nada vale mais do que a conveniência do momento do sujeito errante.

E olhe que umas boas bengaladas até poderiam bem surtir algum efeito, hoje por hoje...

Saudações e um bom fim-de-semana.
Jorge P.G.- o sineiro

Will disse...

Queridíssima, preclaríssima, bem-dispostíssima Nocturna: foi um prazer EXTRAORDINÁRIO partilhar os momentos de conversa, que souberam a pouco...

Seguramente repetir-se-ão! Entretanto, não obstante ter encerrado a minha chafrica, poderemos sempre encontrar-nos no meu outro espaço, que encaminho de imediato para o teu e-mail.

Um beijinho,

Mário disse...

Já dizia Marco Aurélio:
"If you are distressed by anything external, the pain is not due to the thing itself but to your own estimate of it; and this you have the power to revoke at any moment."
Ou, mais recente: "Os cães ladram e a caravana passa."

De nada vale antagonizar quem só vive do antagonismo pois é exactamente esse tipo de "comida" que essa gente espera.

De qualquer das formas fica a intenção nobre.

Foi um prazer conhecê-la e ouvi-la. E está agora a ser também um prazer lê-la.

Abraços,

Mário

Maria disse...

Tinha-me cruzado contigo, perdi-te, voltei a encontrar-te no Sérgio.
Agora sei-TE.
:))

Abraço

Nocturna disse...

Maria,
Muito bem vinda, amigos/e muito mais do que isso, do Sérgio são muito bem vindos a este cantinho.
Sendo eu uma mulher com 1,74cm, não consigo perceber como me perdeste.
Achaste-me, e isso é que é muito importante.
Todos não seremos de mais.
Um grande abraço
Nocturna

Carlos disse...

Caríssima Nocturna
Embora não tenhamos conversado, confesso que não sabia para onde me virar, com tanta gente interessante para falar, mas ficou a empatia e a esperança que nos tornemos a encontrar. Afinal o que ambos achávamos (receio de não conhecer ninguém no jantar) ficou-se pelo caminho, porque havia alguém conhecido e acho que a mesma pessoa, para si e para mim. Era o Luís, não era? Que coincidência!!!
Um beijo grande e apareça sempre lá pelo Jardim.